BLOOMSDAY – JAMES JOYCE

Image

Anualmente, no dia 16 de junho é comemorado em vários lugares do mundo o BLOOMSDAY. Diversas leituras, palestras, performances, saraus e apresentações de teatro e música celebram a data dedicada ao extraordinário escritor-inventor James Joyce e sua obra mais famosa: Ulysses. No romance, publicado em 1922 e considerado um marco da literatura contemporânea, toda a ação protagonizada por  Leopold Bloom transcorre somente em um dia: 16 de junho de 1904, em Dublin, na Irlanda.

Publicado em 1922, o romance Ulysses apontou para um novo rumo literário ao revolucionar a forma e a estrutura do romance, influenciando decisivamente o desenvolvimento da “corrente da consciência” e impulsionando a linguagem e as experiências linguísticas aos limites da comunicação. À época de sua publicação, no entanto, em 1922, a obra foi considerada obscena e diversos exemplares foram queimados ou desapareceram. Logo, porém, os críticos observaram a radicalidade de sua revolução na linguagem, levada a níveis de complexidade incomuns. Em pouco tempo também, Joyce conquistou respeitados admiradores como o escritor alemão Thomas Mann, que se via próximo da escrita do irlandês, especialmente no gosto comum pela paródia como operação estilística.

O primeiro episódio de Ulisses, Telêmaco, tem a torre como cenário, passa-se às 8 horas da manhã, tem como Arte a Teologia, as Cores do episódio são o Branco e o Ouro, o Símbolo é o Herdeiro e a Técnica utilizada é a da Narrativa (juvenil). O principal personagem do capítulo é Stephen Dedalus.

Trecho inicial do primeiro episódio em sua versão original e respectivas traduções:

ULYSSES, 1922, JAMES JOYCE, Chapter 01 – Telemachus

Stately, plump Buck Mulligan came from the stairhead, bearing a bowl of lather on which a mirror and a razor lay crossed. A yellow dressinggown, ungirdled, was sustained gently behind him on the mild morning air. He held the bowl aloft and intoned
– Introibo ad altare Dei. 
Halted, he peered down the dark winding stairs and called out coarsely:
– Come up, Kinch! Come up, you fearful Jesuit!
Solemnly he came forward and mounted the round gunrest. He faced about and blessed gravely thrice the tower, the surrounding land and the awaking mountains. Then, catching sight of Stephen Dedalus, he bent towards him and made rapid crosses in the air, gurgling in his throat and shaking his head. Stephen Dedalus, displeased and sleepy, leaned his arms on the top of the staircase and looked coldly at the shaking gurgling face that blessed him, equine in its length, and at the light untonsured hair, grained and hued like pale oak.
Buck Mulligan peeped an instant under the mirror and then covered the bowl smartly.
– Back to barracks, he said sternly.
He added in a preacher’s tone:– For this, O dearly beloved, is the genuine christine: body and soul and blood and ouns. Slow music, please. Shut your eyes, gents. One moment. A little trouble about those white corpuscles. Silence, all.

ULISSES, JAMES JOYCE (ANTÔNIO HOUAISS, BRASIL, TRADUÇÃO DE 1966), Capítulo 01 – Telêmaco

Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da escada, com um vaso de barbear, sobre o qual se cruzavam um espelho e uma navalha.
Seu roupão amarelo, desatado, se enfunava por trás à doce brisa da manhã.
Elevou o vaso e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Parando, perscrutou a escura escada espiral e chamou asperamente:
– Suba, Kinch. Suba, jesuíta execrável.
Prosseguiu solenemente e galgou a plataforma de tiro. Encarando-os, abençoou grave três vezes a torre, o campo circunjacente e as montanhas no despertar. Então, percebendo Stephen Dedalus, inclinou- se para ele, traçando no ar rápidas cruzes, com grugulhos guturais e meneios de cabeça. Stephen Dedalus, enfarado e sonolento, apoiava os braços sobre o topo do corrimão e olhava friamente a meneante cara grugulhante que o bendizia, equina de comprimento, e a cabeleira clara não tosada, estriada e matizada como carvalho pálido.
Buck Mulligan mirou-se um instante sob o espelho e em seguida recobriu o vaso com vivacidade:
– Ao quartel! – disse peremptório.
Acrescentou, em tom predicante:
– Porque isto, ó bem-amados, é a autêntica Christina: corpo e alma, e sangue e chagas.
Música lenta, por favor. Fechar os olhos, cavalheiros. Um instante. Uma pequena complicação com estes corpúsculos brancos. Silêncio, minha gente!

ULISSES, JAMES JOYCE (JOÃO PALMA-FERREIRA, PORTUGAL, TRADUÇÃO DE 1989), Capítulo 01 – Telêmaco

POMPOSO, roliço, Buck Mulligan, veio do alto da escada, trazendo uma tigela com espuma de barbear, na qual se cruzavam, em cima, um espelho e uma navalha. O roupão amarelo, solto, sustinha- o por detrás, gentilmente, a brisa suave da manhã.
Ergueu a tigela e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Detendo-se, perscrutou até ao fundo a escura escada em caracol e chamou com rudeza:
– Suba, Kinch! Suba, seu jesuíta cobarde!
Avançou com solenidade e trepou para a redonda plataforma de tiro. Olhou-os e com gravidade abençoou três vezes a torre, o campo circundante e as montanhas que despertavam. Depois, avistando Stephen Dedalus, inclinou-se para ele e traçou no ar rápidas cruzes, gorgolejando com a garganta e abanando a cabeça. Stephen Dedalus, aborrecido e sonolento, apoiou os braços no cimo do corrimão e olhou com frieza aquele rosto gorgolhante que
o abençoava, cavalar no comprimento e o cabelo claro sem tonsura, fibroso e matizado como um pálido carvalho.
Buck Mulligan contemplou-se um instante, por baixo, no espelho e logo voltou a tapar a tigela com vivacidade.
– Volta para o quartel! – disse com severidade.
E, em tom de prédica, acrescentou:
– Porque isto, ó bem amados, é a Cristina autêntica: corpo e alma e sangue e chagas. Por favor, música lenta. Fechai os olhos, ó cavalheiros. Um momento.
Há um pequeno problema com estes glóbulos brancos. Todos em silêncio!

ULISSES, JAMES JOYCE (BERNARDINA PINHEIRO, BRASIL, TRADUÇÃO DE 2005), Capítulo 01 – Telêmaco

Majestoso, o gorducho Buck Mulligan apareceu no topo da escada, trazendo na mão uma tigela com espuma sobre a qual repousavam, cruzados, um espelho e uma navalha de barba. Um penhoar amarelo, desamarrado, flutuando suavemente atrás dele no ar fresco da manhã. Ele ergueu a tigela e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Parado, ele perscrutou a escada sombria de caracol e gritou asperamente:
– Suba, Kinch! Suba, seu temível jesuíta!
Solenemente ele avançou para a plataforma de tiro. Olhou à volta e seriamente abençoou três vezes a torre, o terreno à volta e as montanhas que despertavam. Em seguida, avistando Stephen Dedalus, ele se inclinou em direção a ele e fez cruzes rápidas no ar, gorgolejando
na garganta e sacudindo a cabeça. Contrariado e sonolento, Stephen Dedalus apoiou os braços no último degrau da escada e olhou friamente para o rosto sacolejante e gorgolejante que o abençoava, para a cabeça eqüina e os cabelos claros sem tonsura, tingidos e matizados como carvalho decorado.
Buck Mulligan espreitou por um instante por baixo do espelho e depois cobriu a tigela rapidamente.
– De volta pro quartel! – disse implacavelmente.
E acrescentou em tom sacerdotal.
– Pois isto, meus bem amados, é a verdadeira cristina: corpo e alma e sangue e feridas. Música lenta, por favor. Fechem os olhos, senhores.
Um momento. Um pequeno problema com esses corpúsculos brancos. Silêncio, todos.

ULISSES, JAMES JOYCE (CAETANO W. GALINDO, BRASIL, TRADUÇÃO DE 2010/2011), CAPÍTULO 01 – TELÊMACO

Solene, o roliço Buck Mulligan surgiu no alto da escada, portando uma vasilha de espuma em que cruzados repousavam espelho e navalha.
Um roupão amarelo, com o cíngulo desatado, era delicadamente sustentado atrás dele pelo doce ar da manhã. Elevou a vasilha e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Detido, examinou o escuro recurvo da escada e invocou ríspido:
– Sobe, Kinch! Sobe, seu jesuíta medonho!
Altivo ele se adiantou e montou a plataforma de tiro redonda. Olhou à volta e abençoou gravemente e por três vezes a torre, o campo em torno e as montanhas que acordavam. Então, percebendo Stephen Dedalus, ele se inclinou em sua direção e fez cruzes rápidas no ar, arrulhando na garganta e sacudindo a cabeça. Stephen Dedalus, contrafeito e sonolento, apoiava os braços no alto da escadaria e olhava friamente para o arrulhante rosto balouçante que o abençoava, eqüino por seu comprimento, e para o cabelo claro intonso, com matiz e textura de pálido carvalho.
Buck Mulligan espiou um instante sob o espelho e então cobriu rapidamente a vasilha.
– De volta à caserna! disse peremptório.
Acrescentou em tom sacerdotal:

– Pois isto, ó mui estimados, é a genuína christina: corpo e alma e sangue e chagas. Música lenta, por favor. Fechem os olhos, cavalheiros. Um momento. Um probleminha aqui com esses corpúsculos brancos. Silêncio, todo mundo.

*

ALGUNS TRECHOS DE FINNEGANS WAKE

Publicado em PANAROMA de Finnegans Wake, de Augusto e Haroldo de Campos, o trecho a seguir, com tradução de Augusto de Campos, abre de maneira magistral o enigmático e indecifrável romance de James Joyce: Finnegans Wake. A transcriação/tradução dos irmãos Campos é magistral, ouso chamar de Transcridução.

FINNEGANS WAKE ( 1, 3)

riverrun, past Eve and Adam’s, from swerve of shore to bend of bay, brings us by a commodius vicus of recirculation back to 
Howth Castle and Environs. 
Sir Tristram, violer d’ amores, fr’over the short sea, had passencore rearrived from North Armorica on this side the scraggy isthmus of Europe Minor to wielderfight his penisolate war: nor had topsawyer’s rocks by the stream Oconne exaggerated themselse
to Laurens County’s gorgios while they went doublin their mumper all the time: nor avoice from afire bellowsed mishe mishe to tauftauf thuartpeatrick not yet, though venisson after, had a kidscad buttended a bland old isaac: not yet, though all’s fair in vanessy, were sosie sesthers wroth with twone nathandjoe. Rot a peck of pa’s malt had Jhem os Shem brewed by arclight and rory end to the regginbrow was to be seen ringsome on the aquaface.
The fall (bababadalgharaghtakamminarronnkonnbronntonnerronntuonnthunntrovarrhounawnskawntoohoohoordenenthurnuk!) of a once wallstrait oldparr is retaled early in bed and later on life down through all christian minstrelsy. The great fall of the offwall entailed at such short notice the pftjschute of Finnegan, erse solid man, that the humptyhillhead of humself prumptly sends an unquiring one well to the west in quest of his tumptytumtoes: and their upturnpikepointandplace is at the knock out in the park where oranges have been laid to rust upon the green since devlinsfirst loved livvy.

Transcriação – Tradução: Augusto de Campos

riocorrente, depos de Eva e Adão, do desvio da praia a dobra da baía, devolve-nos por um commodius vicus de recirculação devolta a Howth Castle Ecercanias.
Sir Tristrão, violista d’amores, através o mar breve, não tinha ainda revoltado de Norte Armórica a este lado do áspero istmo da Europa Menor para loucomover sua guerra penisolada: nem tinham os calhões do altom sawyerrador pelo rio Oconee sexagerado aos gorgetos de Laurens County enquanto eles iam dublando os bebêbados todo o tempo: nem avoz de umachama bramugira mishe mishe a um tauftauf tuespatruísquicio: nem ainda, embora logo mais veniesse, tinha um novelho esaurido um velho e alquebrando isaac: nem ainda, embora tudo seja feério em Vanessidade, tinham as sesters sósias se enrutecido com o uníduo nathandjoe. Nem um galão de papamalte haviam Jhem ou Shen recevado a arcaluz e auroras antes os barcoíris fora visto circularco sobre a aquaface.
A queda (bababadalgharaghtakamminarronnkonnbronntonnerronntuonnthunntrovarrhounawnskawntoohoohoordenenthurnuk!)
de um ex venereável negaciante é recontada cedo na cama e logo na fama por todos os recantores da cristã idade. A grande queda do ovalto do muro acarretou em tão pouco lapso o pftjschute de Finnegan, outrora sólido ovarão, que a humptyhaltesta dele prumptamente manda uma testemunha para oeste a cata de suas tumptytumtunhas: e o retrospicopontoepouso delas repausa em pés no parque onde oranjos mofam sobre o verde desde que o primoamor ao diablin levou lívia

Segunda transcriação-tradução do trecho “the fall”, conforme Augusto de Campos:

A queda (bababadalgharaghtakamminarronnkonnbronntonnerronntuonnthunntrovarrhounawnskawntoohoohoordenenthurnuk!) de um outrora wallstreito patriarcaico é recontada a partir da cama e a seguir na fama por toda a cristória humanicômica. A grande queda do primovo muro prepucitou de tal forte a pftjsqueda de Finnegan, dantes excéltico ferrabraço, que a sua humptytopetesta envia presto um ininspeturista para o oeste em questa de seus tumptytumtarsos: e seus pespontacabeçabaixos estão no baque do parque onde os loranjos se enferrojam no verde desde que um debolino primoamavou lívia

*

Breves comentários sobre Finnegans Wake, de James Joyce

Ler James Joyce é adentrar na verdadeira revolução textual ocorrida na linguagem do romance moderno. É deparar-se com um universo linguístico denso, intenso e inovador em seu máximo.
Em Panaroma de Finnegans Wake, Haroldo de Campos explica que “ninguém como Joyce levou a tal extremo a minúcia artesanal da linguagem. Seu macrocosmo – seu romance rio – traz, em quase cada uma das unidades verbais que o tecem, implícito um microcosmo. A palavra metáfora. A palavra montagem. A palavra ideograma”.
James Joyce iniciou sua Work in Progress (depois lançada como Finnegans Wake) em 1923, publicando-a em 1939, 16 anos depois de seu início.
Finnegans Wake – Work in Progress é, sobretudo, um livro de leitura difícil, incompreensiva até. Joyce não se utilizou somente do inglês para compor tal monumento literário. Envolveu uma série linguística de base no inglês mas associada a diversos outros idiomas. Dezenas de línguas diferentes espalham-se ao longo do texto, fazendo com que Joyce se aproxime, de acordo com Sergei Eisenstein em uma linha pictórica do hieróglifo japonês.
Conforme Haroldo de Campos, “cada entidade verbivocovisual que Joyce cria é uma espécie de espelho instante da obra toda, cujo estilo se baseia no princípio do palimpsesto”.
Ou seja, Finnegans Wake é uma imagem arquetípica para a leitura do mundo.
O tema de Finnegans Wake é a noite e o sonho, antagonicamente a Ulisses, cujo tema é o dia. Em Finnegans Wake a linguagem é a do sonho. A ideia de fluxo contínuo do livro, com valor próprio e sugestivo exige a leitura e releitura constante do livro, um constante riocorrente (riverrun)…
De acordo com Augusto de Campos, Finnegans Wake “é uma espécie de história poética, mítica e arquetípica da humanidade.”
A tradução-intensa de Finnegans Wake para o português realizada inicialmente pelos irmãos Campos, no histórico Panaroma de Finnegans Wake, trazia alguns fragmentos da obra máxima de Joyce, a transcriação Finnicius Revém foi reutilizada na tradução completa-extensa realizada por Donald Schuler que afirma ser a tradução de Joyce ” obrigação de criar similares aos da língua de origem. É preciso distanciar-se com frequência da literalidade para captar efeitos que ultrapassem significados”.
A leitura, interpretação e decifração de Finnegans Wake/Finnicius Revém ficará no entanto, destinada a cada leitor de James Joyce. Recomendo, no entanto, a leitura do texto original e a constante utilização como material de apoio, as transcriações e comentários de Donald Schuller na sua tradução completa de Finnegans Wake e por fim, os fragmentos e comentários dos irmãos Campos, presentes no citado Panaroma de Finnegans Wake.

Image

*

Ângelo Luís

Anúncios

Um comentário em “BLOOMSDAY – JAMES JOYCE

  1. Muito bom!

    A poiesis é fala que se escreve
    no ato que desvela
    o Real
    e revela
    a imagem que acessa
    a linguagem habitada
    na palavra que arremessa
    o fino fio do desejo.

    Inês Lempek

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s