COGUMELOS & SONETO DO FURDUNÇO

cogu
       melos
(chapéu louco)
e rindo
sorrio seus

Ora
Conhecidos
Aromas
(Sobre)
(Ondas)
Sensoriais

redo
      bram-
              se
em tímidos
rituais

Ângelo Luís

*

Soneto do furdunço

A confusão, o motim, a balbúrdia,
O sururu, o banzé, o barulho,
O auê, a barafunda, o embrulho,
O esporro, o caos, a anarquia.

Estrofes de bagunça, onde se lê
Algazarra, tumulto e fuzuê,
O charivari, a esculhambação:
Desarranjo, chinfrim, a danação,

Zoeira, babel, a perturbação,
E os atropelos, a atrapalhação,
Os desmandos, o cúmulo, a barbárie.

E, por fim, contando os dedos em série,
Depois de tanto tremer o coreto,
Conclui-se, da desordem, o soneto.

Francisco Settineri.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s