Soneto Dolorido

Soneto Dolorido

 

Limpei dessa vacância o rosto incerto,
Das tulhas da emoção a hera morta
Clepsidra que se esvai, não mais importa
Se a noite já avançou e estou desperto.

Doídas as distâncias no deserto,
Assombram-me as esperas nesta porta
Destila-se a fumaça na retorta,
Fantasmas infernais que estão por perto!

Geômetra do tempo, eu vi agora
Segundos a correr, os kamikases
E o dia assim cansado vai-se embora

Mirando a Lua tola em suas fases:
É insana essa sintaxe que me atora
E a falta dolorida que me trazes!


Francisco Settineri.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s