ULYSSES e ULISSES

us_comic_tel_iii_16

O primeiro episódio de Ulisses, Telêmaco, tem a torre como cenário, passa-se às 8 horas da manhã, tem como Arte a Teologia, as Cores do episódio são o Branco e o Ouro, o Símbolo é o Herdeiro e a Técnica utilizada é a da Narrativa (juvenil). O principal personagem do capítulo é Stephen Dedalus.

Trecho inicial do primeiro episódio em sua versão original e respectivas traduções:

ULYSSES, 1922, JAMES JOYCE, Chapter 01 – Telemachus

Stately, plump Buck Mulligan came from the stairhead, bearing a bowl of lather on which a mirror and a razor lay crossed. A yellow dressinggown, ungirdled, was sustained gently behind him on the mild morning air. He held the bowl aloft and intoned
– Introibo ad altare Dei.
Halted, he peered down the dark winding stairs and called out coarsely:
– Come up, Kinch! Come up, you fearful Jesuit!
Solemnly he came forward and mounted the round gunrest. He faced about and blessed gravely thrice the tower, the surrounding land and the awaking mountains. Then, catching sight of Stephen Dedalus, he bent towards him and made rapid crosses in the air, gurgling in his throat and shaking his head. Stephen Dedalus, displeased and sleepy, leaned his arms on the top of the staircase and looked coldly at the shaking gurgling face that blessed him, equine in its length, and at the light untonsured hair, grained and hued like pale oak.
Buck Mulligan peeped an instant under the mirror and then covered the bowl smartly.
– Back to barracks, he said sternly.
He added in a preacher’s tone:– For this, O dearly beloved, is the genuine christine: body and soul and blood and ouns. Slow music, please. Shut your eyes, gents. One moment. A little trouble about those white corpuscles. Silence, all.

ULISSES, JAMES JOYCE (ANTÔNIO HOUAISS, BRASIL, TRADUÇÃO DE 1966), Capítulo 01 – Telêmaco

Sobranceiro, fornido, Buck Mulligan vinha do alto da escada, com um vaso de barbear, sobre o qual se cruzavam um espelho e uma navalha.
Seu roupão amarelo, desatado, se enfunava por trás à doce brisa da manhã.
Elevou o vaso e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Parando, perscrutou a escura escada espiral e chamou asperamente:
– Suba, Kinch. Suba, jesuíta execrável.
Prosseguiu solenemente e galgou a plataforma de tiro. Encarando-os, abençoou grave três vezes a torre, o campo circunjacente e as montanhas no despertar. Então, percebendo Stephen Dedalus, inclinou- se para ele, traçando no ar rápidas cruzes, com grugulhos guturais e meneios de cabeça. Stephen Dedalus, enfarado e sonolento, apoiava os braços sobre o topo do corrimão e olhava friamente a meneante cara grugulhante que o bendizia, equina de comprimento, e a cabeleira clara não tosada, estriada e matizada como carvalho pálido.
Buck Mulligan mirou-se um instante sob o espelho e em seguida recobriu o vaso com vivacidade:
– Ao quartel! – disse peremptório.
Acrescentou, em tom predicante:
– Porque isto, ó bem-amados, é a autêntica Christina: corpo e alma, e sangue e chagas.
Música lenta, por favor. Fechar os olhos, cavalheiros. Um instante. Uma pequena complicação com estes corpúsculos brancos. Silêncio, minha gente!

ULISSES, JAMES JOYCE (JOÃO PALMA-FERREIRA, PORTUGAL, TRADUÇÃO DE 1989), Capítulo 01 – Telêmaco

POMPOSO, roliço, Buck Mulligan, veio do alto da escada, trazendo uma tigela com espuma de barbear, na qual se cruzavam, em cima, um espelho e uma navalha. O roupão amarelo, solto, sustinha- o por detrás, gentilmente, a brisa suave da manhã.
Ergueu a tigela e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Detendo-se, perscrutou até ao fundo a escura escada em caracol e chamou com rudeza:
– Suba, Kinch! Suba, seu jesuíta cobarde!
Avançou com solenidade e trepou para a redonda plataforma de tiro. Olhou-os e com gravidade abençoou três vezes a torre, o campo circundante e as montanhas que despertavam. Depois, avistando Stephen Dedalus, inclinou-se para ele e traçou no ar rápidas cruzes, gorgolejando com a garganta e abanando a cabeça. Stephen Dedalus, aborrecido e sonolento, apoiou os braços no cimo do corrimão e olhou com frieza aquele rosto gorgolhante que
o abençoava, cavalar no comprimento e o cabelo claro sem tonsura, fibroso e matizado como um pálido carvalho.
Buck Mulligan contemplou-se um instante, por baixo, no espelho e logo voltou a tapar a tigela com vivacidade.
– Volta para o quartel! – disse com severidade.
E, em tom de prédica, acrescentou:
– Porque isto, ó bem amados, é a Cristina autêntica: corpo e alma e sangue e chagas. Por favor, música lenta. Fechai os olhos, ó cavalheiros. Um momento.
Há um pequeno problema com estes glóbulos brancos. Todos em silêncio!

ULISSES, JAMES JOYCE (BERNARDINA PINHEIRO, BRASIL, TRADUÇÃO DE 2005), Capítulo 01 – Telêmaco

Majestoso, o gorducho Buck Mulligan apareceu no topo da escada, trazendo na mão uma tigela com espuma sobre a qual repousavam, cruzados, um espelho e uma navalha de barba. Um penhoar amarelo, desamarrado, flutuando suavemente atrás dele no ar fresco da manhã. Ele ergueu a tigela e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Parado, ele perscrutou a escada sombria de caracol e gritou asperamente:
– Suba, Kinch! Suba, seu temível jesuíta!
Solenemente ele avançou para a plataforma de tiro. Olhou à volta e seriamente abençoou três vezes a torre, o terreno à volta e as montanhas que despertavam. Em seguida, avistando Stephen Dedalus, ele se inclinou em direção a ele e fez cruzes rápidas no ar, gorgolejando
na garganta e sacudindo a cabeça. Contrariado e sonolento, Stephen Dedalus apoiou os braços no último degrau da escada e olhou friamente para o rosto sacolejante e gorgolejante que o abençoava, para a cabeça eqüina e os cabelos claros sem tonsura, tingidos e matizados como carvalho decorado.
Buck Mulligan espreitou por um instante por baixo do espelho e depois cobriu a tigela rapidamente.
– De volta pro quartel! – disse implacavelmente.
E acrescentou em tom sacerdotal.
– Pois isto, meus bem amados, é a verdadeira cristina: corpo e alma e sangue e feridas. Música lenta, por favor. Fechem os olhos, senhores.
Um momento. Um pequeno problema com esses corpúsculos brancos. Silêncio, todos.

ULYSSES, JAMES JOYCE (CAETANO W. GALINDO, BRASIL, TRADUÇÃO DE 2010/2011), CAPÍTULO 01 – TELÊMACO

Solene, o roliço Buck Mulligan surgiu no alto da escada, portando uma vasilha de espuma em que cruzados repousavam espelho e navalha.
Um roupão amarelo, com o cíngulo desatado, era delicadamente sustentado atrás dele pelo doce ar da manhã. Elevou a vasilha e entoou:
– Introibo ad altare Dei.
Detido, examinou o escuro recurvo da escada e invocou ríspido:
– Sobe, Kinch! Sobe, seu jesuíta medonho!
Altivo ele se adiantou e montou a plataforma de tiro redonda. Olhou à volta e abençoou gravemente e por três vezes a torre, o campo em torno e as montanhas que acordavam. Então, percebendo Stephen Dedalus, ele se inclinou em sua direção e fez cruzes rápidas no ar, arrulhando na garganta e sacudindo a cabeça. Stephen Dedalus, contrafeito e sonolento, apoiava os braços no alto da escadaria e olhava friamente para o arrulhante rosto balouçante que o abençoava, eqüino por seu comprimento, e para o cabelo claro intonso, com matiz e textura de pálido carvalho.
Buck Mulligan espiou um instante sob o espelho e então cobriu rapidamente a vasilha.
– De volta à caserna! disse peremptório.
Acrescentou em tom sacerdotal:
– Pois isto, ó mui estimados, é a genuína christina: corpo e alma e sangue e chagas. Música lenta, por favor. Fechem os olhos, cavalheiros. Um momento. Um probleminha aqui com esses corpúsculos brancos. Silêncio, todo mundo.

*

Ângelo Luís

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s