3 poemas inéditos de Jorge Lucio de Campos

Jorge Lucio de Campos

DESCENDÊNCIA DE HELIOS

a Carlo Maria Mariani

1

Revoar os
átomos do

mundo

(sua bela
tessitura)

2

Nascer de
novo, a

contrapelo
do dia

3

Tocar o solo
como nunca –

o que me doa
e tangencia

4

Afiar o olho –
retocá-lo de

brancura

5

Esperar que
a obra ranja

o que insinua

6

Que o outro
lado, enfim

se chame
um bramido –

um deserto

Jorge Lucio de Campos

*

JANELA AMARELO CÁDMIO

a Hubert Damisch

1

Um erotismo
me sufoca −

na manhã
fechada

o sol me tinge
as barbatanas

2

Aclamo-me
acalmo-me

desdenho-me −

persigo-me
incorro-me

insuflo-me

3

Um arbusto
sugere

que eu seja −

vegeto mais
que ele

Jorge Lucio de Campos

*

PAISAGEM DE KRUMAU

a Egon Schiele

Onde falta
o mundo

em que
me acabo?

Escorço em
gazes, de

celeiros, postes
montanhas –

muito além
do campo

que verdeja

Jorge Lucio de Campos

*

BREVE BIOGRAFIA:

JORGE LUCIO DE CAMPOS nasceu no Rio de Janeiro (1958). É poeta, ensaísta e Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ESDI/UERJ). Publicou, entre outras, as coletâneas A dor da linguagem (1996), À maneira negra (1997), Prática do azul (2009), Os nomes nômades (2014) e Sob a lâmpada de quartzo (2013). E-mails: jluciocampos@globo.com ou jorgeluciocampos@gmail.com

*

Ângelo Luís e Francisco Settineri

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s