O poeta ezra pound desce aos infernos

O poeta ezra pound desce aos infernos
(Haroldo de Campos)

não para o limbo
dos que jamais foram vivos
nem mesmo
para o purgatório dos que esperam
mas para o inferno
dos que perseveram no erro
apesar de alguma contrição
tardia e da silente senectude
– diretamente com retitude –
o velho ez
já fantasma de si mesmo

e em tanta danação
quanto fulgor de paraíso

*

Ângelo Luís e Francisco Settineri

Rima Petrosa – 1

Rima Petrosa – 1        (Haroldo de Campos)

uma bruteza
límpida
que em nada se detém

uma crueza
lâmina
que se apaga em ninguém

uma lindeza
nítida
que a si mesma sustém

uma ingênua fereza
feita só de desdém

uma dura candura
que nem loba que nem

uma beleza absurda
sem porquê nem porém

um negar-se tão rente
que soa um shamisen

uma causa perdida
um não vem que não tem

*

Ângelo Luís e Francisco Settineri